Julio Leite

PROJETO: Croma

Obra de poesia visual que explora a metalinguística em relação ao tema proposto. A forma escrita de homenagear o azul, o amarelo, o verde, o lilás, o vermelho é sempre composta por duas cores (fundo-frase) que são distintas das que são representadas no enunciado.

ESTRATÉGIA DE AÇÃO:
As obras (lambe-lambes) serão levadas para Porto Alegre já feitas e fixadas nos tapumes com cola de povilho, feita manualmente.

LOCAL:
Tapumes da Praça da Alfândega

Julio Leite [Campina Grande – PA]
Graduado em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba em 2000, dedica-se às artes visuais. Foi professor substituto da Universidade Federal de Campina Grande (2002-2005), momento em que se dedica na pesquisa e orientação de projetos em urbana-arte, vídeo,  fotografia ( incluindo a arte tecnológica). Em 2004 cria e dirige a Galeria Cilindro, site specific, na cidade de Campina Grande.
Participou de várias exposições coletivas e individuais, no Brasil e no exterior, entre elas Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco 1989; Mostra Internacional de Art-mail, Casa do Olhar, Santo André-SP 1994; Salão de Arte Pará 1999; Alguma Coisa A Ver com o Silêncio (MAC Pernambuco) Olinda 2000; Projeto Prima Obra (Sala Guimarães Rosa-FUNARTE) Brasília-DF 2001; EXPERIMENTAL (Centro Cultural Dragão do Mar Fortaleza-CE); Temporada de Exposições do Museu de Arte de Ribeirão Preto 2003;  Projeto Artista Invasor (Centro Cultural Dragão do Mar Fortaleza-CE) 2006;  Atos Visuais da Funarte Brasília- DF 2006; Salão Arte Pará Belém-PA 2008, Salão de Abril (Fortaleza-CE ) 2009, SPA das Artes (Recife-PE) 2009, OBRANOME- Parque Lage Rio de Janeiro-RJ.  X Bienal Internacional de Havana-2009;  V Bienal Internacional do Vento Sul (Curitiba-PR) 2009. Zona de Fronteira- Centro Cultural Banco do Nordeste. Fortaleza-CE 2010.

Este slideshow necessita de JavaScript.

SOBRE A EXPERIÊNCIA_SEU:

“Com inteligente uso de relações entre significado e significante, Julio Leite escreve o nome das cores com cor diversa do que corresponde. Lilás pode ser escrito em vermelho sobre fundo verde. A correspondência truncada entre nome e coisa aponta o caminho de Julio na direção da teoria de Wittegenstein como relação conceitual.”

PAULO HERKENHOFF (crítico de Arte).

“Julio Leite realiza uma particular oferenda pictórica em termos desmitificadores de essência metalinguística. A ascética homenagem feita com as cores, azul, vermelho, verde ou amarelo apresenta uma chave magritiana, na qual a representação da mensagem a invalida em seu ditado, em favor do sublinhado. O texto, sucinto, se faz imagem e lê a tela, seu espaço, tanto interno como externo. Pois a dimensão destas pinturas quase avisos (quase outdoor), assim como seu destino urbano ou público (tapumes ou qualquer lambe-lambe), multiplica os sentidos deste jogo na sua apresentação no espaço carimbado de galeria. Faz passar um valor de equilíbrio entre a ausência e a presença, traçando umas letras-cores entre o visível e o invisível. Ja esta última palavra é negada em parte ou sublinhada em outra direção, no sentido de que se trabalha com a latência visual das coisas.”

GUILHERME BUENO (professor doutor da Escola de Belas Artes da UFRJ)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s